Isaac Bashevis Singer | Prémio Nobel Literatura 1978


Isaac Bashevis Singer

Escritor norte-americano de etnia judaica, Icek-Hersz Zynger nasceu a 14 de julho de 1904, em Leoncin, na Polónia, e faleceu a 24 de julho de 1991. Filho de um rabino, acompanhou a família na sua mudança para Varsóvia, quando contava apenas quatro anos de idade. O pai mantinha a esperança de que Isaac se viesse também a tornar um rabino, pelo que o educou nos preceitos tradicionais judaicos, dando-lhe a ler a lei talmúdica e textos aramaicos.
No ano de 1920 ingressou no Seminário Rabínico Tachkemoni, mas logo abandonou os seus estudos, mudando-se para uma aldeia típica judaica, Bilgorai, onde ganhou o seu sustento dando aulas de Hebraico. Ao fim de três anos regressou a Varsóvia, para junto do irmão, um escritor que o encorajou e lhe deu emprego como revisor de provas no Literarische Bleter , onde era editor. Singer começou então a fazer traduções, versando para o Iídiche autores como Thomas Mann, Knut Hamsun e Erich Maria Remarque.
O seu romance de estreia, Der Sotn In Goray , foi publicado pela primeira vez na Polónia em 1932. Utilizando um estilo que remontava ao das crónicas judaicas medievais, foi escrito originalmente em Iídiche, e contava a história da vinda de um falso messias no século XVII.
Em 1933 passou a trabalhar como editor-associado da publicação Globus e, em 1935, tornou-se correspondente estrangeiro de um jornal diário. Nesse mesmo ano separou-se da família e decidiu emigrar para os Estados Unidos da América, fixando-se em Nova Iorque. Deu início a uma colaboração com o jornal Forverts , impresso nos Estados Unidos em idioma Iídiche. Adotou a cidadania norte-americana em 1947.
Em 1950 publicou Die Familje Moshkat , o seu primeiro romance a ser traduzido para o Inglês. A obra fazia parte de uma trilogia que descrevia a saga de uma família judaica, continuada com os dois volumes Der Hoyf In Forverts (1952-55), versados para a língua inglesa com os títulos The Manor (1967) e The Estate (1969).
Der Kunstnmakher Fun Lublin apareceu em 1960, a que se seguiram, entre outras obras de sucesso, Der Knecht (1962) e Shosha (1978), ainda em Iídiche e, em tradução, When Schliemmel Went To Warsaw and Other Stories (1968), escrito para um público infantil, Enemies, A Love Story (1972, Inimigos, Uma História de Amor ) e The Penitent (1983).
Em 1964 foi eleito membro do Instituto Nacional das Artes e Letras norte-americano, tornando-se no único a escrever numa língua estrangeira e, em 1978, foi honrado com o Prémio Nobel da Literatura.